Entre pro time

Inter

Taison se apresenta com discurso de líder e querendo títulos pro Inter

Publicado

em

Ricardo Duarte/Inter

Em sua primeira fala, o presidente Alessandro Barcellos reforçou que o Inter estava contratando um reforço de nível mundial. E que o Internacional não teria condições de contratá-lo se não fosse o esforço que ele fez.

Paulo Bracks contou que a negociação começou fria, tipo o clima na Ucrânia, mas depois foi esquentando. Taison assinou um contrato de dois anos, mas pode ficar mais porque sua condição física foi invejável nos testes. Lembrou que uma das coisas que o elenco precisa é de jogadores que saibam vencer e ele é esse tipo.

Taison recebeu a camisa 10 do presidente do Inter – Ricardo Duarte/Inter


Resumo do que Taison falou na apresentação:

  • Volta para ajudar, como os outros lhe ajudaram no começo, como Bolivar, D’Alessandro.
  • Mesmo que as pessoas aqui possam não ter acompanhado ele no campeonato ucraniano, a sua experiência na Europa lhe fez jogar todos os anos a Champions. Chegou nas quartas de final da Champions, jogou contra Real Madrid, Inter de Milão, Real Madrid, entre outros.
  • Falou para todos ficarem tranquilos que tá voltando o mesmo Taison que saiu daqui.
  • Disse que incomodou o presidente Alessandro Barcellos mandando muitas mensagens falando pra acertar logo.
  • O final da sua passagem no Shakhtar não foi como ele queria, confirmou que teve numa discussão, mas agradeceu que eles apagaram isso agora na sua saída.
  • Garantiu que não veio aqui a passeio, para brincar, que veio pra jogar por todo esforço que fizeram pra ele voltar.
  • Entende o trabalho da imprensa, mas o Inter tá disputando títulos, a Copa do Brasil, quase foi campeão Brasileiro. Então, acha que o grupo é muito forte. A comissão técnica precisa de tempo, não é assim para ajudar e ser ajudado.
  • Primeiro, eles tem que fazer merecer para conquistar as coisas. E isso não vem de um dia pro outro.
  • A estreia da Libertadores já passou. Tem que esquecer essa estreia na Libertadores.
  • Ainda não conversou com o Miguel sobre onde vai jogar. Pode jogar pelo centro ou pelas pontas. Não tem problema algum em jogar onde o treinador escalar seja pelo lado ou no meio.
  • Sua experiência no Shakhtar lhe deu 15 títulos, o fez ser escolhido duas vezes o melhor jogador do país e em quatro oportunidades esteve na seleção dos melhores. Isso é um fator importante, saiu daqui vencedor, foi pra lá e voltou vencedor. Por isso, quer ganhar de novo.
Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque