Entre pro time

Grêmio

Tiago Nunes aboliu palavra por Renato, ganhou presente de Natal e quer Jean tocando mais na bola

Publicado

em

Reprodução

Resumo da entrevista do técnico Tiago Nunes pra gente no Donos da Bola:

  • Ele aboliu a palavra substituir porque Renato é insubstituível. Um trabalho tão bom quanto o que tinha antes, tem que ser continuado.
  • O vestiário do Grêmio ajuda muito o treinador, dentro e fora do campo.
  • Ele se considera um líder servidor. Servidor porque tenta criar ferramentas para as pessoas que estão próximas possam se desenvolver. Brincou que, como na sua carreia de jogador, ele era um zagueiro limitado, dependia muito dos outros, acabou pegando isso de ajudar os outros.
  • Ficou sete meses em casa após o trabalho no Corinthians. Passou por todos os processos da saída, primeiro viveu o luto de entender o porquê foi demitido e a partir dai gerar aprendizado pra melhorar no trabalho aqui no Grêmio.
  • Douglas Costa é seu presente de natal antecipado. Mas brincou que ainda tá aberto para um presente de páscoa, de aniversário. Ele não tá fechado para reforços. Por ele, dá pra ter mais contratações.

Tiago Nunes no Donos da Bola – Reprodução

  • Em algum momento vai definir quais competições priorizar. Só que ainda é muito cedo para isso. Existem meios para preservar um jogador e nem não precisa ser todo o elenco ao mesmo tempo. Se for preservar, tem que ser algo pontual pra uma semifinal ou final.
  • Em média, os jogadores conseguem jogar de três a quatro partidas seguidas na quarta e domingo. Dá pra ter uma sequência com poucas lesões ou desgaste se for controlando.
  • A ideia de levar um time de guris pra partida da Sul-Americana foi muito para ele ter a chance de treinar o time principal durante a semana.
  • Hoje, não tem como tirar um jogador do contexto defensivo. E até Ferreira participa disso no Grêmio. Pode até ter um que tenha menor responsabilidade defensiva. Só que ter dois ou três que não ajudam na marcação, tu vai sofrer. Cada vez mais o futebol caminha para jogadores que tem bom condicionamento físico, que se comprometem coletivamente com o jogo, com a tática, e ainda tem a condição técnica de resolver na frente.
  • Futebol tá cada vez mais próximo do futsal, onde todo mundo participa de tudo no jogo, seja atacando ou defendendo.
  • Jean tem que tocar mais vezes na bola. Com o espaço reduzido do campo hoje, ele tem que procurar a bola em setores diferentes do campo. Seja na defesa ou ataque. A taxa de participação dele tem que ser maior. Isso tá sendo conversado com ele.


Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque