Entre pro time

Inter

Taison dá show, Marcos Guilherme rouba a cena e Inter mostra repertório contra o Olimpia

Publicado

em

Ricardo Duarte/Inter

  • Taison estreou em grande estilo. Só que ele nos enganou. Isso porque disse na coletiva de apresentação que estava voltando o mesmo jogador que saiu. Não é verdade. Voltou um jogador completamente diferente. Um meia que joga atrás do atacante, na frente dos volantes. Quando você ouvir alguém falar do jogador entre linhas, lembre dessa atuação do Taison. Ficou entre os zagueiros e os volantes adversários. E fez uma partidaça. Seguramente, o Taison de hoje é muito mais inteligente taticamente. Corre menos, joga e pensa mais. Foi o melhor em campo. Todas as jogadas passaram por ele.
  • Galhardo fez dois, mas o que mais me impressionou nem foram os gols em si. E sim a inteligência dele em campo. O entendimento de quando passar, quando deixar a bola passar, onde se posicionar. Parece que encontrou seu lugar no campo mesmo. Galhardo é um centroavante. Se comporta como um centroavante. Não é uma improvisação e muito menos vive uma fase apenas.
  • Preciso falar do Cuesta. Nós passamos a temporada passada preocupados com as atuações dele, mas é preciso reconhecer que, pelo menos na saída de bola, ele voltou com tudo. Vários lances começaram nos seus pés. A avaliação do lado defensivo ficou um pouco prejudicada porque o Olimpia é fraco. Agora, o entendimento do sistema de jogo parece uma realidade pra ele. Bem mais que os outros até.
  • Ainda a pontuar o golaço do Caio Vidal, que ninguém entende porque não foi titular, o Edenilson cobrando pênalti com a calma de sempre e o Yuri que teve uma bola e fez seu gol.
  • Achei bem interessante a entrada do Nonato no segundo tempo. O Ramírez viu que o time deles estava fechado e precisava de um “lançador”. Foi isso que fez, colocou ele pra ficar distribuindo jogo no centro do gramado. Deu certo. Foi bem pra caramba. Gostei mesmo.
  • Maurício foi bem jogando de ponta pela esquerda. Isso é interessante. Afinal, mesmo deslocado de onde rendeu melhor, que era na meia esquerda, ele não foi mal.
  • Fecho os pontos positivos com a volta do Saravia. Olha que o Rodinei tá jogando muito, mas vai embora. Então, tá chegando um lateral de seleção. E que participou do gol de bicicleta do Caio Vidal. Que bom vê-lo jogar novamente.
  • Entre as qualidades, um time que mostrou repertório de jogadas. Hora atacava pela direita, pela esquerda, cruzava bola por cima, rasteira, troca de passes, lançamentos longos e gol de bola parada também. Foi um jogo melhor do que contra o Táchira. Isso é evolução.

Taison foi o capitão na estreia pelo Inter – Ricardo Duarte/Inter

  • Ainda precisa ajustar lances de saída de bola pelo chão com o goleiro. Lomba quase entregou. Tem horas, tem lances, que não dá pra sair jogando por baixo com o goleiro. É preciso que o próprio Miguel entenda isso. Se todos estão marcados, é melhor estourar a bola lá na frente. Faz parte. Todos os times do mundo fazem isso.
  • Precisamos falar do Marcos Guilherme. É um crime acusá-lo de ser omisso, de se esconder, de não tentar jogar. Mas a realidade é que praticamente tudo que ele tentou, deu errado. Seja no lance que conseguiu roubar a bola e era só finalizar no primeiro tempo ou até no gol do Galhardo, que ele chuta mal. Foi incrível o seu nível de participação, mas praticamente tudo deu errado. A assistência dele no gol do Yuri só foi correta porque o zagueiro do Olimpia lesionou a coxa, se não, teria cortado. Sei que é difícil defendê-lo, mas digo uma coisa pra você: ninguém erra tanto assim. A fase é que não tá legal. Ele é um profissional, pode até não ser o jogador que você gostaria, mas não é normal tanta coisa dar errada.

Marcos Guilherme ficou o tempo todo em campo e quase tudo deu errado – Ricardo Duarte/Inter

Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque