Entre pro time

Inter

Os motivos que mudaram completamente o time do Inter na goleada contra o Universidad Católica

Publicado

em

Ricardo Duarte/Inter

  • A melhor notícia deste jogo para os torcedores foram as mudanças que o Coudet fez no time. Ele finalmente tirou o Lindoso, deixou Edenilson por ali e deu a titularidade merecida para o Marcos Guilherme. Isso mudou o jeito de jogar do Inter, faz os caras se soltarem, o Edenilson deu o ritmo, o pique na meia e o Marcos foi o atacante insinuante pelo lado.
  • Sim, Marcos Guilherme, pra mim, foi o melhor em campo. A peça mais importante do esquema foi o Edenilson. Ele é quem muda o cenário. Só que é o Marcos Guilherme que fez a diferença. Tô gostando demais dele.
  • E, percebam, ainda não cheguei no Guerrero. Sua partida foi monstruosa, meteu dois gols e deu assistência para o gol o terceiro. É óbvio que eu reconheço isso. Todo mundo tem que reconhecer. Mas ele foi Guerrero. Foi o que a gente sabe e espera dele. As novidades que vi dos dois nomes acima tem tudo para mudar o cenário da temporada colorada.
  • Fora isso, é preciso elogiar quase todos os outros jogadores. Uendel foi novamente bem. Me arrisco a dizer que ele jogou mais que o Moisés até agora. Olha, eu realmente me impressionei com ele.
  • Coloca nesta lista de bom desempenho o Boschilia também. Creio que ele foi a melhor contratação do clube. Lembrando, não é um meia pifador, mas é um meia que articula o jogo, que organiza as jogadas. Mesmo pela ponta esquerda.

Marcos Guilherme fez o terceiro gol do Inter na vitória por 3 x 0 – Ricardo Duarte/Inter

  • Praxedes também saiu melhor que a encomenda. Entrou na segunda etapa e deu duas pifadas para o Gustagol. As duas perdidas pelo Gustavo, que ainda tá longe de jogar bem, mas o ponto aqui é que o Praxedes tem 18 anos e tá fazendo pifada de gente grande.
  • Curti o Galhardo também. Foi bem na vaga do D’Alessandro. Não a ponto de tirar a titularidade do gringo, mas de mostrar que é um atacante mais agudo e que não vai fazer o 10 fazer tanta falta.
  • Precisa falar que o Cuesta jogou de terno? Eu deveria apenas copiar e colar os textos sobre o Cuesta. É sempre a mesma coisa. Sempre alto nível.
  • O único que eu não achei tão bem foi o Bruno Fuchs. Começou nervoso, entregou duas bolas no começo da partida e teve vários pequenos erros ao longo dos 90 minutos. Alternou bons com maus momentos. Ainda tá longe de jogar o suficiente para justificar a ida do Moledo pro banco.

Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque