Entre pro time

Grêmio

Grêmio teve três decisivos e vários que jogaram mal na vitória contra o São Paulo

Publicado

em

Lucas Uebel/Grêmio

  • O Grêmio não jogou nada bem. Se futebol fosse apenas mérito, o São Paulo merecia mais. Eles jogaram muito mais bola que o Grêmio. Agora, futebol é bola na rede. E só o Diego Souza fez isso. Então, ganhou quem foi decisivo. Em decisão, isso faz toda a diferença. Não é quem joga melhor, é quem ganha. O Grêmio ganhou.
  • Diego Souza de novo. Quantas vezes esse cara salvou neste ano. Olha, tô pra dizer que de todas as apostas feitas pelo Renato até hoje, ele foi sem dúvidas a de melhor benefício. Melhor que qualquer outro. Seja o Jael, Léo Moura, Cortez, enfim, qualquer um dos que o Renato trouxe pra recuperar. O Diego foi o melhor. Que temporada.
  • Ferreira entrou e, em um lance, justificou sua entrada. Rabiscou na direita, limpou como quis o marcador e tocou pra área. Ele faz algo diferente. Principalmente quando entra no segundo tempo. Diria que ele vai melhor quando entra no segundo tempo do que quando começa jogando. Mas isso é uma questão de ajuste. O Ferreira perde muito a bola. Se melhorar só um pouco, melhorar o aproveitamento dos lances, vai ser muito decisivo.
  • Kannemann jogou por ele e pelo parceiro, que primeiro foi Geromel e depois Rodrigues. Na boa, não há explicação que fundamente a reserva dele. Não existe. Olha, talvez se contratarem o Sergio Ramos o Kannemann vai pra reserva. De resto, foi um crime ele ter ficado de fora na Vila por opção do treinador.

Os dois caras que salvaram o Grêmio na Arena – Lucas Uebel/Grêmio

  • Geromel saiu lesionado. Num lance sozinho. Chutou pro gol com a direita e sentiu a perna esquerda. A de apoio. Musculatura da coxa. Baita problema pra sequência.
  • Renato apostou em Thaciano na ponta direita, na vaga que era do Alisson. Bom, mais uma vez ficou claro que não é ele o titular por ali. Não tem como. O cara virou até auxiliar de lateral-direito, mas não conseguiu nem atacar e nem defender direito. Foi um erro do Renato. Um erro claro e previsível.
  • Jean Pyerre foi muito mal de novo. E quando eu uso o muito mal quero explicar que eu não espero uma partida mediana dele. O Jean precisa entregar algo diferente. Ele é cobrado (e tem que ser) por isso. É só olhar, quando o Jean não joga bem, o ataque praticamente inexiste. Mas não dá pra ele deixar o time na mão a toda rodada. Tem que começar a jogar. Tá mais que na hora.
  • O mesmo vale pro Pepê. Sequer lembro de alguma jogada interessante dele. Bem abaixo.
  • Como bate este time do São Paulo… Não tem como negar que eles são bem treinados. O Fernando Diniz montou uma equipe bem competitiva. Já disse, futebol, eles jogaram mais que o Grêmio. Só que batem também. O Daniel Alves pisou no pé de dois jogadores gremistas. O Arboleda meteu o joelho nas costelas do Diego Souza. E outro meteu o cotovelo na cara do Diego Souza também. Poxa, isso é demais. Competir é uma coisa, bater é outra.
  • Bom, a vitória ajuda imensamente na missão de classificar pra final. Agora, não dá pra esquecer que o São Paulo jogou mais aqui e tem tudo para jogar melhor no Morumbi. Então, tá na hora do Renato fazer esse time andar, né? Não vai ser sempre que tu vai jogar mal e vencer. Tá tudo em aberto ainda.

Jean Pyerre não fez uma partida boa de novo. Mais uma vez ficou devendo na armação do time – Lucas Uebel/Grêmio

Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque