Entre pro time

Inter

O fiasco que Lindoso, D’Alessandro, Galhardo e outros fizeram na merecida eliminação da Copa do Brasil

Publicado

em

Reprodução

Foi um fiasco. Não, não tô falando da eliminação. Isso quase todo mundo já sabia que iria acontecer. Estou falando do papelão que os caras conseguiram fazer após perder, nos pênaltis, pro América. Lindoso partiu pra cima de alguém, que supostamente estava provocando, e a confusão foi feita. D’Alessandro e Galhardo foram na porta do vestiário dos caras tentar invadir. Invadir o vestiário deles. Sim. Olha que coisa maluca, que coisa sem noção. De quem não tem cabeça. Não tem nervos no lugar. Teve um momento que o Leandro Fernandez ameaçava dar “soquinhos” em alguém do América. Como se fosse na briga da sua rua. Coisa pequena. De criança. Aliás, boa parte dos jogadores do Inter tem maturidade de criança. Os que eu citei aqui em cima agiram como tais.

Uendel e Galhardo perderam, mas os pênaltis apenas adiram uma eliminação que deveria acontecer – Reprodução

  • O Inter muito muito bem eliminado. A queda na Copa do Brasil foi mais que merecida. O América-MG foi melhor aqui e lá. Aqui, jogaram e lá seguraram. Não tem nem o que discutir. Seria injusto ver o Inter na semifinal.
  • Outra, Lisca mostrou que, hoje, é muito mais treinador que o Abel.
  • Abel até fez algo diferente. Montou um 4-2-3-1 bem mais organizado taticamente do que antes. Não há como negar que este time pelo menos tem mais a sua cara.
  • Só que apenas uma mínima organização tática não adianta. É preciso ter bem mais que isso. Assim como nos piores momentos da temporada, a bola chegava até a intermediaria e ninguém sabia mais o que fazer.
  • O Inter virou um time que joga em U. É de um lateral, para os zagueiros até chegar em outro lateral. Deu.
  • E essa responsabilidade é do D’Alessandro. Ele jogou 77 minutos e não teve uma metida de bola diferenciada. É verdade que se entregou. Isso não falta pro D’Ale, mas o passe diferente não chegou nem perto de acontecer. Se ele é o camisa 10, se é o armador, e a bola não chega nos atacantes, a responsabilidade é dele.
  • Não tem uma explicação que justifique o Heitor no banco e Rodinei titular o jogo todo. O Heitor só pode estar lesionado. O que acho improvável já que ele treinou terça, estava em BH e no banco. É inadmissível.
  • Dourado foi o único que jogou muita bola. Nem parece que ficou mais de um ano sem jogar. Ele tá firme, confiante, o mesmo volante de imposição de antes.
Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque