Entre pro time

Inter

Miguel cobra imprensa por protestos da torcida, relata dura nos jogadores após goleada e diz porque Johnny não joga

Publicado

em

Reprodução

Resumo da coletiva do Miguel após o empate com o Sport:

  • No primeiro tempo, o time começou a fazer coisas, mesmo vencendo por 2 x 0, que ele não gostava. Não era o que deveria ser feito. Não acha que foi uma diferença do primeiro e segundo tempo. No primeiro tempo, o time não estava conseguindo jogar como desenhava na defesa. Não estava conseguindo jogar com o plano que eles tinham desenhado.
  • Acha que melhorou a defesa no segundo tempo e piorou na parte ofensiva. Demorou para controlar o jogo, para jogar. O Sport começou a ter espaços porque o Inter estava aberto. Eles ganhavam a segunda bola e tinham espaço por dentro.
  • Sobre os protestos da torcida, disse que isso não ajuda. Entende a torcida, mas pediu para a imprensa lembrar que existem muitas pessoas que estavam no hotel para apoiar. Só que isso não vende, não dá audiência aos programas. Logicamente, há gente que tá descontente, ele respeita porque as pessoas querem títulos e o clube tá há anos sem ganhar. É normal. Agora, hostilidade contra os jogadores, ele não sabe se ajuda. Mas os jogadores, a comissão e direção precisam saber onde estão, que é um clube grande e vai ter pressão sempre.
  • Não sabe se foi pênalti ou não no Maurício. O Sport estava sendo melhor, mas não conseguia fazer gol.
  • Lembrou que contra o Always Ready teve 22 finalizações. Não sabe se alguma equipe consegue gerar tantas oportunidades no futebol brasileiro. Tem dias que não entra.
  • Tentou explicar que um dos problemas da defesa é que o time ia pro ataque e a defesa tinha que acompanhar, ir pro ataque junto para fechar espaços, mas os jogadores estavam fazendo isso tarde. E ai o Sport tinha espaços para dominar a bola, controlar ela, girar e sair pra jogar.
  • Sabe que no futebol de elite o resultado manda, mas quem tá lá não pode ser torcida quanto a resultado. Eles são profissionais e precisam estar acima do resultado. Um exemplo disso é que a seção de vídeo mais agressiva, mais dura com os jogadores, foi depois da vitória de 6 x 1 contra o Olimpia. Eles tem que jogar como querem e querem jogar num modelo que sustente e que vai fazer ser competitivo por muito tempo. Não vai depender da sorte ou da arbitragem. Um sistema que vai fazer estar sempre mais perto da vitória do que da derrota em cada partida.
  • Disse que a imprensa está vendo as coisas distorcidas e pediu pra não enganar quem as pessoas que consomem a imprensa. Tem que ser fiel ao que tá acontecendo. Hoje, o primeiro tempo foi muito superior, mas o rival também joga, também tem recursos, tem ferramentas. E a partir daí o Inter teve suas dificuldades.
  • O clube vem de anos sem ganhar e é normal que não confiem no projeto que apresentam. O normal é que desconfie. A sua obrigação é montar uma equipe para primeiro ganhar uma partida e depois outra. A partir dai o torcedor vai se sentir um pouco mais crente do que quer ver. É isso que ele faz no dia a dia.
  • Falta tempo e evolução para o Johnny. Cada um tem seu processo. Ele terá minutos, é certo, mas está em um processo de aprendizagem e evolução que não é fácil. O que ele pede ao Johnny é complicado, não é de uma semana para outra. Ele só pede que tenham um pouco de paciência. Está trabalhando muito bem, é muito profissional, inteligente, mas necessita tempo. Não quer lhe expor nem lançar aos leões, quer colocá-lo num contexto seguro e com confiança.
  • Se algum momento entender que Taison vai jogar melhor como ponta, pode jogar com ele na ponta sim.
  • Nas últimas seis partidas, nenhuma equipe foi capaz de submeter o Inter, ter controle, posição, de colocar o Inter dentro do seu no campo.
Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque