Entre pro time

Inter

Coudet deu show no Bem, Amigos, do Sportv. Aqui as informações que ele passou!

Publicado

em

Reprodução

Coudet deu entrevista no Bem, Amigos desta segunda-feira e deu um show de carisma. Todos o elogiaram bastante. Muricy chegou a dizer que ele tem um novo torcedor, ele Muricy vai torcer pelo companheiro.

Aqui um resumo que Coudet disse:

  • Coudet começou contando que tem uma ligação com o futebol brasileiro. O seu tio, chamado Filpo Núñez, era treinador do Palmeiras e ainda hoje é o único estrangeiro a comandar a Seleção Brasileira. Foi por um jogo apenas, um amistoso vencido pelo Brasil, por 3 x 0, contra o Uruguai, na Inauguração do Mineirão.
  • Essa ligação é importante pra ele. Coudet disse acreditar muito em destino.
  • Ele já tinha decido sair do Racing no final da temporada, tinha várias propostas e, quando veio a proposta do Inter, escolheu ela. Trabalhar no futebol brasileiro era muito importante por conta da matéria prima excepcional. Era uma curiosidade também. Estar em um clube brasileiro, um clube passional.
  • Ele se incomoda com a falta de vitórias em Gre-Nal. Confirmou que isso acaba impactando sim na cabeça dos jogadores. Pensa que isso é sua dívida pendente como treinador do clube.
  • Aproveitou para mandar um abraço para o Boschilia. Disse que todos sofreram com ele. Mais uma lesão de ligamento cruzado.
  • Sobre suas influências, se apoiou muito no Manoel Pellegrini, chileno, ex-técnico do Manchester City, que ambos tem uma ótima relação. Uma das dicas que ele deu foi para anotar e desenhar todas as ideias que ele tiver num caderinho. E até hoje ele anda sempre com um caderno. E, sempre que vê uma ideia, um movimento, anota e até desenha a jogada neste caderno.
  • Ele não quer imitar um estilo ou jogar igual a outro time. No futebol mundial, muitos acharam que poderiam imitar o Barça de Guardiola. Mas o Barça do Guardiola tinha cada peça encaixada em um ideal de um time. E nem todos tem estas ferramentas. Por isso, ele diz que: “às vezes se pode jogar o que quer e, às vezes, se pode jogar o que se pode.”
  • Ele não imita nenhuma coisa. Ele gosta do esquema que utiliza com um volante, três meias mais na frente e dois atacantes. A partir disso, ele vai modificando a movimentação conforme joga o adversário.
  • Ele e Sampaoli tem muita relação, ele lhe ajudou muito, mas futebolisticamente, eles pensam diferente, jogam de maneira diferentes. Cada um tem seu estilo e joga da maneira que pensa ser correta.
  • Ele achava que, na Argentina, tudo acontecia em uma velocidade inédita, mas aqui é mais rápido. Só que isso é o lindo do futebol. Disse estar fascinado pelo que é o futebol aqui, a matéria prima que são os jogadores.

Coudet participou do Bem-Amigos com Galvão Bueno e Muricy Ramalho – Reprodução

Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque