Entre pro time

Grêmio

Tiago revela que tentou contratação do Ferreira, Darlan cheio de moral e vê times sem especialistas

Publicado

em

Reprodução

Resumo da coletiva do técnico Tiago Nunes após a classificação para a final do Gauchão:

  • Ele tem tido a oportunidade de disputar muitas finais nos últimos anos, sejam finais nacionais, internacionais ou até de estadual. São sete ou oito, ele não tem o número exato de finais, nos últimos três anos.
  • Já teve oportunidade de jogar o Gre-Nal na base. Como é daqui, sabe o que é esse jogo, mas tem um jogo decisivo contra o Lanus. O time tem uma rotina e isso vai seguir. Não indicou mudanças na preparação da semana por ser Gre-Nal. Tem que tentar ampliar a vantagem e aproximar a classificação. Tem que trabalhar um dia por vez.
  • Na base, Darlan sempre foi um organizador de jogo, mas que pisava na área. Esse é um conceito que ele tem e que agora está sendo estimulado para voltar a fazer. Tanto que ele chegou a fazer um gol que foi anulado por impedido. Tiago considera o Darlan um meio-campista. Não quer especializá-lo em uma função. Isso seria limitá-lo demais. Tem potencial para jogar em posições diferentes, dentro do contexto que o jogo se apresenta.
  • Thiago Santos não precisa ser o primeiro jogador, fixo na defesa. De acordo com o adversário, pode mudar sua posição. Hoje, o futebol se faz com defensores construindo lá de trás e todo mundo tenha responsabilidade de participar desde a parte defensiva.
  • Sobre a visita que fez ao pessoal da base, afirmou que sempre que possível quer estar presente lá para facilitar a comunicação entre as categorias.
  • Conhece o Ferreira desde 2018, quando ele jogou pelo Toledo o campeonato paranaense e o Tiago treinava o Athletico no estadual. Contou que foi um atleta monitorado e que tentou levá-lo para o Athletico. Chamou a atenção sua capacidade de desequilíbrio, drible, criatividade, sua velocidade. E ele ainda faz gols. Tem certeza que a médio e longo prazo pode pensar até em Seleção Brasileira.
  • Pensa que o futebol cada vez menos tem especialistas, no sentido de ter um jogador que só faz uma função, seja só marcar ou só atacar, por exemplo. O jogo tá tão dinâmico, competitivo. Todos tem que ter capacidade de resolver os problemas do jogo, pensar e competir. Tem que ter jogadores de futebol, não só especialistas.
  • A marcação da bola parada defensiva é mista. Alguns jogadores marcam por zona, outros marcam alguns jogadores individualmente e outros marcam a bola. A mostrarem ainda é pequena, mas é o segundo jogo que não sofreu gols. Isso é importante.
  • Diego Souza consegue fazer a diferença dentro e fora da área. Tem aparecido mais condições do Diego sair da área, mas quando ele saí, tem que aparecer alguém na área para finalizar. Esse é o pedido dele.
  • Acredita que o Vanderson tem crescido e aprendido com o Rafinha. Detalhes importantes da posição. A ideia é aproveitar o que o Vanderson tem de melhor, que é a vitalidade de chegar no ataque mais vezes. Pela qualidade e força que tem, pode ser mais vezes explorado no ataque.
  • Os zagueiros mais jovens precisam olhar para o Geromel como referência. Não só dentro como fora de campo, para que possam se inspirar a seguir a saga de vitórias que ele conquistou no Grêmio.
Facebook Comments

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Destaque